Encontro com escultor de areia – Lindo texto de Osho

quinta-feira, 29 novembro , 2012 postado por webmaster

Osho

 

Vocês nada conhecem sobre as milhares de pessoas iluminadas que viveram e morreram, porque elas não tinham talentos especiais, de modo que esses talentos fossem visíveis ao homem comum. Talvez elas possuíssem algo único; por exemplo, talvez uma qualidade de estar em silêncio, porém essa qualidade não seria muito notada.

 

Conheci um homem iluminado que morava em Bombaim quando eu lá estive, e seu único talento era construir belas estátuas de areia. Eu nunca tinha visto estátuas tão bonitas. Ele passava o dia inteiro na praia esculpindo suas estátuas e milhares de pessoas assistiam maravilhadas. Elas já tinham visto estátuas de Buda Gautama, de Krishna, de Mahavira, mas não havia comparação. E ele não trabalhava em mármore, apenas com areia da praia. As pessoas jogavam notas de rúpias, mas ele nem se incomodava. Eu vi outras pessoas pegando as notas, mas ele também não se importava com isso. Ele estava tão absorto em esculpir suas estátuas! Mas aquelas estátuas não duravam. Vinha uma onda e o Buda desaparecia.

 

Antes de sua iluminação, ele ganhava a vida dessa maneira, mudando-se de uma cidade para outra e fazendo estátuas de areia. Elas eram tão bonitas que era impossível as pessoas ficarem sem oferecer algo para ele. Assim, ele ganhava bastante, o suficiente para uma pessoa.

 

Mas ele se iluminou – e continuou com um único talento, fazer estátuas de areia. É claro que ele continuaria fazendo estátuas de areia que apontavam para a iluminação, mas era a única oferenda que ele podia fazer. A existência usaria essa manifestação. Suas estátuas estavam mais meditativas. Só de sentar ao lado de suas estátuas vocês já sentiam que ele tinha dado uma proporção à estátua, uma certa forma e uma certa face que acabavam por criar algo dentro de vocês.

 

Eu lhe perguntei: “Por que você continua a esculpir Buda Gautama e Mahavira? Este país não é budista e os jainistas são muito poucos. Você poderia ganhar mais esculpindo Rama ou Krishna.”

 

Mas ele respondeu: “Eles não servem ao meu propósito; não apontam para a Lua. Eles dão belas estátuas – eu fiz todas estas estátuas antes – mas agora só consigo fazer a estátua que representa um ensinamento, mesmo que seja invisível para milhões de pessoas, para quase todas elas”.

 

Na época que eu me mudei permanentemente para Bombaim, ele já havia morrido, mas antes disso, toda vez que eu ia para essa cidade, costumava visitá-lo. Nesse tempo ele trabalhava na praia de Juhu. A praia ficava silenciosa o dia inteiro; as pessoas só começavam a chegar ao entardecer, e a essa hora a estátua já estava pronta. Sem ser incomodado, o dia inteiro.

 

Eu lhe disse: “Você sabe fazer estátuas, por que não trabalha em mármore? Elas vão durar para sempre.”

 

Ele respondeu: “Nada é permanente” – essa é uma citação de Buda – “e essas estátuas representam melhor Buda Gautama do que qualquer estátua de mármore. Uma estátua de mármore possui uma certa permanência, enquanto estas estátuas são momentâneas: basta um vento forte para elas sumirem; basta uma onda do oceano para elas desaparecerem. Uma criança chega correndo, tropeça na estátua e ela desaparece.”

 

Eu disse: “Você não se sente mal ao pensar que trabalha um dia inteiro numa estátua e, justo quando ela está quase completa, acontece alguma coisa e aquele dia inteiro de trabalho é perdido?”

 

Ele respondeu: “Não. Toda a existência é momentânea; a frustação não existe. Eu gosto de fazer a estátua e, se uma onda gosta de desfazê-la, então nós dois ficamos satisfeitos! Eu gosto de fazer, a onda gosta de desfazer. Assim, na existência, há uma quantidade dupla de satisfação – por que eu ficaria frustrado? A onda tem tanto poder sobre a areia quanto eu; talvez tenha até mais.”

 

Enquanto conversávamos, ele disse: “ O senhor é um pouco fora do comum porque ninguém conversa comigo. As pessoas somente jogam rúpias. Elas gostam das estátuas, mas ninguém gosta de mim. Quando o senhor chega, eu me sinto tão contente porque há alguém que gosta de mim, alguém que não está interessado só na estátua, mas também no seu significado interior, no por que eu a faço. Eu não sei fazer outra coisa. Durante toda a minha vida fiz estátuas; essa é a única arte que eu conheço. Só que agora eu me rendi à existência; agora a existência pode me usar.”

 

Essas pessoas continuarão desconhecidas. Um dançarino talvez seja um buda, um cantor talvez seja um buda, mas eles não serão reconhecidos como budas pela simples razão de que sua maneira de fazer as coisas não se torna um ensinamento. Não conseguem ajudar de fato as pessoas a sair de seu sono. Mas eles estão dando o melhor de si; tudo aquilo que podem fazer, eles estão fazendo.

 

As poucas pessoas que se tornam mestres são aquelas que adquiriram, em suas muitas vidas, uma certa articulação, uma certa percepção das palavras, da linguagem, do som das palavras, da simetria e da poesia da linguagem. Isso é uma coisa totalmente diferente. Não é uma questão de linguística ou de gramática; é mais uma questão de encontrar uma música extraordinária na linguagem comum, de criar uma qualidade de alta poesia na prosa comum. Eles sabem jogar com as palavras de modo que vocês possam ser ajudados a ir além das palavras.

 

Não é que eles tenham escolhido ser mestres e não é que a existência os tenha escolhido para ser mestres. É apenas uma coincidência: antes da iluminação eles eram ótimos professores e se tornaram mestres por causa da iluminação. Agora eles podem transformar seu ensino em maestria – e, com certeza, essa é a parte mais difícil.

 

Aqueles que permanecem em silêncio e desaparecem pacificamente, sem ninguém os conhecer, percorrem um caminho fácil; mas um homem como eu não pode ter um caminho fácil. Não foi fácil quando eu era professor – como pode ser fácil agora que sou um mestre? Tem que ser mesmo difícil.

categorias Osho | 1 Comment »

Compartilhe!

Nova entrevista de Augusto Nunes com Satyaprem para Veja.com

domingo, 25 novembro , 2012 postado por webmaster

Desembrulhe-se!: “ Você é o Presente “

Nova entrevista…….

Para assistir a entrevista completa, acesse Satyaprem.TV

 

categorias Satyaprem | No Comments »

Compartilhe!

Massagem Ayurvédica Yoga com Madhuri em São Paulo em novembro

sexta-feira, 16 novembro , 2012 postado por webmaster

Veja o vídeo com os benefícios da massagem

categorias e-mail, Madhuri | No Comments »

Compartilhe!

Retiro de meditação Praia de Tabatinga em Novembro

quinta-feira, 1 novembro , 2012 postado por webmaster

categorias campo de meditação, e-mail | 2 Comments »

Compartilhe!

Desenvolvido por O Tao do site